Mormon Tabernacle Choir – Betelehemu

Não se pode falar de música vocal, grupos vocais acapella, ou qualquer movimento de canto, sem mencionar um dos maiores e mais antigos corais do mundo: O Mórmon Tabernacle Choir.

Formado em meados do século 19 em Salt Lake City, nos Estados Unidos, por membros da Igreja Mormon, que desejaram criar um pequeno coral para entoar cantos apropriados para as cerimônias religiosas.

Exatamente 100 anos depois da gravação de seus primeiros registros sonoros, o Mormon Tabernacle Choir possui hoje grandiosos números em sua trajetória: São 360 músicos e cantores membros da Igreja Mormon, cujas idades variam entre 25 a 60 anos, milhões de álbuns vendidos, centenas de prêmios e apresentações em mais de 28 países (inclusive o Brasil), cantou em posses de diversos presidentes norte americanos ao longo de sua existência.

Embora seja um coral, fundado e radicado dentro de uma instituição religiosa, o repertório utilizado em suas apresentações é bem diversificado, e já se apresentaram com vários cantores convidados, entre eles: Andrea Boccelli e os King’s Singers.

Musicalmente perfeitos e com uma bagagem histórica irretocável, o Mormon Tabernacle Choir, possui um dos mais e mais antigos órgãos em sua igreja-base em Salt Lake City, que completa a harmonia das 360 vozes. O gigantesco órgão possui 11.623 tubos e é considerado uma espécie de “assinatura” do coral.

O vídeo que o leitor do blog VOZ vai ver,  está disponível na internet, e é de uma apresentação exibida pela TV pública de Detroit, Estados Unidos, que faz parte de um concerto de Natal daquele ano. A peça é “Betelehemu”, um canto tradicional de origem nigeriana,  composição de Via OlatunjiWendell Whalum. A belíssima apresentação, faz uma junção do canto tradicional coralístico, com orquestra e vozes, e a cultura africana, com suas danças e uma profusão de instrumentos percurssivos que dão uma tonalidade rítmica, que é a principal característica do canto africano.

Em seguida, você vê a letra dessa peça em seu dialéto original, o “iorubá” e a sua tradução para o português:

Betelehemu

Awa yo a ri baba gbo jule.
Awa yo a ri baba fe yinti
Awa yo a ri baba gbo jule.
Awa yo a ri baba fe yinti.
Nibo l’abi Jesu.
Nibo le gbe e.
Nibo l’abi Jesu.
Nibo le gbe e.
Betilehemu ilu ara.
Nibe l’abi baba o daju.
Betilehemu ilu ara.
Nibe l’abi baba o daju.
Iyin, iyin, iyin ni fun o o.
Iyin, iyin, iyin ni fun o o.
Adupe fun o.
Adupe fun o.
Adupe fun ojo omi.
Baba olore o.
Iyin fun o ba.
Iyin fun o baba a nu.
Baba toda wa si.
Iyin fun o ba.
Iyin fun o baba a nu.
Baba toda wa si.

Belém cidade maravilhosa

Nós estamos contentes de que temos um Pai que podemos confiar.
Nós estamos contentes de que temos um Pai que nos ajuda
Quando Jesus nasceu?
Onde ele nasceu?
Belém, a cidade maravilhosa.
Esse é o lugar onde nasceu o Pai, com certeza.
Louvor, louvor, louvado seja Ele.
Agradecemos-te, agradecemos-Te, nós Te agradecemos por este dia,
Pai misericordioso.
Louvor, louvor, louvor a Ti,
Pai Misericordioso.

Anúncios

The King’s Singers – Blackbird / Down to the River to Pray

Depois de algum tempo sem novos posts, o Blog das Vozes volta em grande estilo, com o grupo britânico The King’s  Singers.

Fundado em 1968 por seis coralistas do King’s College, em Cambridge, The King Singers logo tornou-se uma força proeminente musical no Reino Unido, e logo depois no mundo. Desde o início eles se especializaram em “tudo”, desde a música medieval de obras-primas do Renascimento, de canções românticas de folk, pop ou jazz. Seu repertório abrange tudo,  sempre estão  à procura de encontrar novas vertentes musicais. No repertório de seus primeiros concertos, estiveram muitos compositores famosos, como: Krystof Penderecki, Luciano Berio, John McCabe, Peter Maxwell Davies, Ned Rorem e Gyorgy Ligeti. Hoje em dia o King’s Singers possuem um repertório de  mais de 150 peças.

O grupo já se apresentou em lugares igualmente diversificados, como: catedrais e palácios, e em muitos dos maiores auditórios do mundo, com algumas das melhores orquestras e também acompanhou alguns dos melhores solistas do planeta, como por exemplo Kiri Te Kanawa e Bruce Johnston, este que foi integrante dos Beach Boys. Estas colaborações têm frequentemente resultado em gravações que foram adicionados a discografia do grupo, que consiste de mais de 80 álbuns.

Vamos conhecer a genialidade e a versatilidade do King’s Singer em dois videos que fazem parte de um DVD lançado pelo grupo, que estão disponíveis na internet, intitulado From The Byrd to Beatles, . O primeiro video é um clássico dos Beatles:  Blackbird (Lennon/Mccartney), que aqui é executado a cappella em uma afinação impressionante, veja:

O segundo video dos King’s é a sua versão para o clássico da música gospel: Down to the River to Pray, de autor desconhecido, porém sabe-se que a sua origem vêm de um hinário de nativos americanos ou de escravos que trabalhavam nos campos no século 19. O andamento é um pouco mais rápido que em outras performances, mas a riqueza de detalhes no arranjo é simplesmente impressionante.